Publicidade

Publicidade

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Hospital São Francisco: Um Erro Não Conserta Outro


O debate sobre a falta de leitos na rede de saúde de Chapadinha ganhou força com a divulgação de fotos mostrando a reforma do Hospital São Francisco que acabou gerando matéria do blog do Caio Hostílio, que indagava qual a justificativa plausível para o fechamento da unidade. Em resposta alguns blogs ligados à secretaria de saúde divulgaram trechos de relatório do DANASUS de 2010, abortando uma série de irregularidades no contrato entre prefeitura e Hospital São Francisco. Peguei a matéria do Samuel Bastos e debato o assunto a partir dela, comentando depois de cada trecho.
"Nos últimos dias muito tem se discutido sobre o número de leitos de Chapadinha e a disponibilidade de apenas o HAPA está atuando para receber os usuários do SUS (Sistema Único de Saúde) da cidade e região. Talvez por entender que os valores repassados para o HCC e São Francisco eram exorbitantes, a nova gestão assim que assumiu decidiu por cancelar o contrato que havia sido deixado pela administração anterior."
De fato, o HAPA é o único hospital de Chapadinha hoje. Perdemos cerca de 80 leitos com o fechamento do HCC e agora temos 44, quando precisaríamos de 150. Se os valores eram elevados a nova gestão poderia ter negociado ou acionado a justiça em condições favoráveis para reduzir os custos. Contrário disso preferiu assumir os riscos de fechar os hospitais e concentrar todo atendimento no HAPA.
"A propaganda da necessidade dos hospitais foi feita, mas uma parte da historia deixou de ser contada. Em 2010 a Auditoria de nº 10661 realizada pelo DENASUS (Departamento Nacional de Auditoria do SUS) que tratou do arrendamento do Hospital São Francisco e Hospital das Clinicas de Chapadinha constatou varias irregularidades na celebração do contrato."
As irregularidades levantadas pela auditória em nenhum momento diz que a solução seria a redução do número de vagas de internação. A necessidade de leitos, como mostrarei adiante, não pode nem deve ser tratada como propaganda.
"Entre as irregularidades apontadas pelo DENASUS constavam: impropriedades no procedimento licitatório do arrendamento, celebração de continuidade do arrendamento sem autorização do Conselho Municipal de Saúde, reforma e ampliação do Hospital São Francisco sem prévio e expresso consentimento do proprietário do imóvel deixando de existir 43 leitos hospitalares, ausência de processos licitatórios da reforma que segundo a Secretária de Saúde da época o arquivo de contabilidade da Prefeitura havia sido destruído por fortes chuvas e a ausência da apreciação e aprovação da reforma do Hospital São Francisco por parte do Conselho Municipal de Saúde."
Na época dos arrendamentos me posicionei de forma contrária principalmente porque tanto HCC quanto São Francisco atendiam pelo SUS e foram contratados para fazer o que já vinham fazendo, só que passaram a prestar serviço de qualidade inferior, depois de administrados pela prefeitura. Contudo apesar das irregularidades apontadas, nada impediria que o governo Belezinha sanasse as impropriedades, repactuando o contrato ou mantendo-o até que tivesse uma saída que não reduzisse de forma drástica o número de vagas.  
"Na recomendação da equipe do Ministério da Saúde foi sinalizada que deveria ser avaliado, juntamente com o Conselho Municipal de Saúde a pertinência de ser CANCELADO o arrendamento do Hospital São Francisco, em virtude de NUNCA ter funcionado como unidade hospitalar, ocasionando DANOS AO ERÁRIO. Ora se houve tantas falhas apontadas pela equipe criteriosa do DENASUS é óbvio que a situação apontada pelo relatório era de inaptidão da unidade para conveniar com o município."
Ora, se era evidente o dano ao erário principalmente pelo fato de o prédio não estar funcionando como unidade hospitalar, neste sentido, o próprio relatório DENASUS reforça que ele deveria ter continuado como hospital capaz de receber internações. Novamente conclui que só teria sentido alugar um hospital se ele acrescentasse vagas e o governo tenta concertar um erro com equivoco ainda maior.  
"Se o próprio Ministério da Saúde apontou tantas irregularidades está claro que só a equipe do DENASUS estaria apta para dizer se uma nova celebração de convênio é pertinente ou não, mais ainda, se a unidade reparou ou não as falhas apontadas pelos técnicos da Auditoria. Como dizia Odorico Paraguassu estou certo ou estou errado?"

Errado. O DENASUS é órgão de auditória, ele verifica o cumprimento de leis e normas técnicas do SUS, a prefeitura se quisesse poderia ter regularizado a situação contratual com o HCC e São Francisco (ou ao menos um dos dois) de forma a evitar a diminuição das vagas. Diferente disso preferiu fechar os hospitais sem ter uma alternativa. Como não teve esse cuidado seguimos com o HAPA superlotado, um só centro cirúrgico, doentes sem vagas, altas antecipadas e todos os riscos inerentes à decisão errada!

Tribunal de Justiça Suspende Sentença de Desocupação Contra Trabalhadores do Baturité

Trabalhadores na Área do Conflito 

O Blog Territórios Livres do Baixo Parnaíba noticia que advogados da FETAEMA ingressaram no Tribunal de Justiça com um recurso pedindo o cancelamento da desocupação da Fazenda São Raimundo determinada em primeira instância pela Comarca de Chapadinha contra trabalhadores da localidade Baturité.


Os advogados dos trabalhadores registraram (no recurso) que muitas informações alegadas por Carlos Gabriel Santos da Silva não procedem e que os riscos de confronto eram praticamente iminentes. 

Diante dos fatos e da explanação dos advogados da FETAEMA, pautadas em informações que retratariam a realidade de que a propriedade está em processo de desapropriação pelo INCRA, o desembargador Paulo Velten suspendeu a sentença do juiz Cristiano Simas, da Comarca de Chapadinha, inclusive mandando retirar da área elementos a serviço de Carlos Gabriel. 

Maranhão: "Não Falta Pão, Falta Partilha"


Por: Lígia Teixeira – Jornal Pequeno

O caso absurdo de uso de mão de obra escrava em um empreendimento  do governo do estado do Maranhão é simbólico.

Simbólico não apenas porque choca e indigna, mas, sobretudo porque é um exemplo claro do nível de degradação e desigualdade no qual o Maranhão se encontra.

O governo do estado parece não ter se sentido constrangido por ter sido flagrado como financiador direto da exploração de mão de obra escrava, encontrada na obra do Arraial da Lagoa da Jansen. Ao contrário, em nota divulgada na imprensa, o Secretário Estadual do Meio Ambiente, deputado Victor Mendes, estava mais preocupado em se eximir de responsabilidade, caso o arraial não fique pronto a tempo.

Ao silenciar sobre essa grave situação, o governo Roseana demonstra desprezo pela sociedade e assume que não está desconfortável na situação de cúmplice do caso.

Em tese, é difícil compreender como um ser humano se sujeita à condição de escravo em pleno século XXI, mas na prática, basta ver a realidade do Maranhão, especialmente na baixada Maranhense, região de origem dos trabalhadores escravos encontrados na obra do arraial.

Há testemunhos de que em muitos lugares do estado há desequilíbrio gritante entre a população masculina e feminina. Os homens, muitos deles pais de família, para não serem consumidos pela miséria, estão indo embora de suas cidades em busca de trabalho. No desespero para garantirem a sobrevivência, caem nas mãos dos espertalhões.

Há uma outra dura realidade por trás do que aconteceu na Lagoa da Jansen e que muitos de nós às vezes não queremos enxergar para evitar o confronto com a tristeza que dilacera o espírito.

O contraste entre o uso da mão de obra escrava em plena capital e ainda por cima patrocinada pelo governo com a finalidade de construir uma obra para atender justamente aos mais aquinhoados membros da sociedade, choca. Sim, porque embora seja aberto a todos, o arraial da Lagoa fica situado na área mais nobre da cidade e, portanto, é acessível quase exclusivamente aos mais remediados.

Por essa linha de raciocínio é lamentável observar que o caso demonstra a gritante desigualdade social no Maranhão.

Desigualdade social é uma palavra fora de moda, quase um clichê. Foi usada durante muitos anos para conceituar a situação no Brasil numa época em que programas de transferência de renda ainda não existiam. Com o tempo e a diminuição da desigualdade no Brasil, ela saiu de moda.

Mas, no Maranhão, o índice alarmante de desigualdade social não apenas permaneceu, como se transformou numa espécie de banalidade social corriqueira, ainda mais porque patrocinada pelo estado, a instituição que deveria existir justamente para evitar que esse tipo de coisas ocorressem.

O caso do uso de mão de obra escrava em um empreendimento feito pelo governo do estado e o silenciamento do próprio governo sobre o assunto, demonstram que o poder público estadual nada fará para impedir que esse tipo de barbárie continue.

Resta à sociedade exigir o fim da violência física e simbólica provocada pela desigualdade social tão absurda que submete seres humanos à escravidão.  O primeiro passo é inverter a lógica  do estado escravizador, transformando a máquina pública estadual num agente de distribuição da riqueza existente no Maranhão e não num patrocinador da miséria como no caso da escravidão no Arraial da Lagoa.


Em síntese: não falta pão, falta partilha.

Oficial de Justiça Exibe Metralhadora e Ameaça Estudantes pelo Facebook


O blog do Neto Ferreira divulgou uma foto em que um “Oficial de Justiça que se identifica como Jonnay Alves, de 36 anos, residente em Chapadinha, no Maranhão, postou foto portando uma metralhadora em sua página pessoal no Facebook”, diz a matéria.
“Na rede social, a maioria dos amigos de Jonnay são moradores da cidade de Chapadinha. Ousado, o oficial de Justiça que atua na cidade de Vargem Grande exibe a arma conhecida como Magal”, acrescenta o blogueiro.
Na imagem o Oficial de Justiça ainda ameaça estudantes do Colégio Batista Chapadinhense, exibindo “o brinquedinho que estaria doido pra usar”.
A carabina Magal seria arma de uso restrito das forças policiais.

O blog do Neto Ferreira ainda chama atenção para as sanções do uso e porte ilegal de arma, “de acordo com a lei penal, o indivíduo que for pego portando armas de fogo pode pegar de três a seis anos de prisão mais pagamento de multa”, finaliza.
Para ler a matéria do Neto Ferreira clique (aqui).

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Chapadinha: Qual é a justificativa plausível para este hospital ter sido fechado?


DSCN2680
Por: Caio Hostílio - Jornalista e Professor

Acima e em baixo, estão várias fotos de um dos hospitais fechados em Chapadinha pela atual gestão. Ele tem ala exclusiva para materno-infantil, uma semi-unidade de UTI e três salas de cirurgia.

Pelo que tudo indica, o referido hospital fechou para trocar as cores das paredes, enquanto isso é o povo que sofre com esse tipo de baboseira de logomarcas.

Sugiro a deputado estadual que apresente um projeto de lei que proíba o uso de logomarcas de gestões públicas em prédios onde estão instalados os órgãos públicos, servido, ainda, para automóveis.

Isso é o tipo do custo mais imbecil que já se viu nesse país!!!
Que a prefeita de Chapadinha, Belezinha, tome as providências o mais rápido possível para reabertura desses dois hospitais, que foram fechados irresponsavelmente, mesmo o município continuando a receber do Ministério da Saúde (fundo a fundo) o recursos para atender a saúde plena.


DSCN2681
DSCN2685
DSCN2682
DSCN2688
DSCN2691
DSCN2746

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Prefeitura de Chapadinha Realiza Audiência Pública “Quase” Secreta


A prefeitura realizou hoje uma audiência pública para avaliação do cumprimento das metas fiscais relativas ao primeiro quadrimestre de 2013, mas de efetivamente pública – como exige a lei – a audiência só teve o nome.

O público da audiência realizada na tarde de hoje na Câmara Municipal se resumiu aos vereadores considerados da base do governo e secretários ou assessores da prefeita Belezinha.

Nenhum dos vereadores de oposição compareceu.

O titular do blog tomou conhecimento do evento por informação do repórter Fábio Barroso, da Rádio Mirante, que passava pela frente da Câmara e resolveu ver o que acontecia. Ainda durante o programa Direto ao Assunto, Barroso estranhou terem lhe dito que no Parlamento se realizava uma audiência pública, uma vez que a imprensa em geral não foi comunicada e nem o site da prefeitura noticiou a realização.

Após o término do Direto ao Assunto, este jornalista se deslocou para o prédio da Câmara, que fica ao lado dos estúdios da Mirante. No momento em que chegamos ao plenário, com a apresentação da prestação de contas em curso, só coube registrar os gráficos e aguardar o momento de fazer alguma pergunta.

Por se tratar de audiência cuja publicidade de sua ocorrência é  prevista em lei, perguntei ao Controlador Geral do Município, advogado Antônio Guedes de Paiva, que ações a organização do evento teria adotado para divulgar a audiência e quais medidas efetivas teriam sido tomadas para garantir o conhecimento de todos, a presença de maior número entidades e do povo na audiência.

O controlador alegou que a administração anterior teria dificultado os trabalhos por não haver deixado informações e lamentou falta de tempo, mas concordou que a divulgação não foi a merecida: “divulgação foi falha e o controlador geral assume isso. O controlador geral ele assume as falhas na divulgação”, finalizou prometendo corrigir os erros na outra audiência quadrimestral prevista para acontecer em setembro.


O problema é que a reconhecida falha de divulgação numa audiência que tinha obrigação de ser pública esvaziou o sentido do evento e – propositalmente ou não – transformou ato inteiro num teatro. 


Controlador Antonio Guedes

Gráfico com Números da Educação 

Dados da Gestão da Saúde 

Moradores Realizam Melhorias na Rua Durval Lopes Por Conta Própria

Rua Durval Lopes, Entrada do Bairro da Tigela 


Depois de esperar 5 meses pelas promessas de melhoria da nova administração municipal moradores do Bairro da Tigela decidiram enfrentar o problema dos buracos da rua Durval Lopes por conta própria. Segundo o morador José Ribamar Filho (Zequinha), que liderou a iniciativa, cansados de cobrar uma ação da prefeitura os moradores se cotizaram para adquirir o material e resolveram trabalhar em regime de mutirão para atenuar a situação. 


Ainda de acordo com o morador vários acidentes de moto chegaram a acontecer na via de entrada do Bairro. Zequinha ainda reclamou do mato e do lixo que se acumulam. Ribamar ressaltou que o ato não se tratava de protesto contra prefeitura, mas pediu atenção das autoridades para os problemas do Bairro da Tigela. 

Moradores Tapando Buraco por Conta Própria 

Precariedade da Via 

Fechamento de Hospitais em Chapadinha é Tratado Como Desperdício de Recursos Públicos Pela Imprensa Estadual


O blogueiro e professor Caio Hostílio chama atenção para o desperdício de verbas da saúde e inclui o fechamento de dois hospitais de Chapadinha como exemplo de descaso. Laia abaixo.  

"É impressionante o volume de recursos públicos destinados à saúde da população brasileira ser jogada pelo ralo, sem que o próprio Ministério ou a CGU fiscalizem “in loco” as aplicabilidades dos recursos destinados pelo Ministério da Saúde (Fundo a Fundo) aos municípios brasileiros.

A maioria esmagadora dos municípios brasileiros não consegue sequer cumprir com a Atenção Básica, porém recebem recursos para cumprimento de outras rubricas que simplesmente não cumprem e continuam recebendo esses recursos.

São Luís, capital do Maranhão, é um exemplo claro dessa falta de aplicabilidade dentro de suas prerrogativas, cujos recursos continuam sendo enviados, sem que ninguém cobre do gestor o cumprimento dessas aplicabilidades dentro das rubricas pré-determinadas.

Outro exemplo no Maranhão é o município de Chapadinha, que recebe recursos do Ministério da Saúde para prover a saúde plena, pois tinha três hospitais em funcionamento e hoje apenas um está funcionando precariamente, haja vista que oferecia 150 leitos e atualmente oferece apenas 44 leitos, cujas altas são efetuadas sem consistência, além de oferecer um perigo generalizado com a infecção hospitalar. Contudo, continua recebendo os recursos como se estivesse oferecendo a saúde plena. Não consegue atualmente cumprir com a Atenção Básica.

Por outro lado, não se sabe se esses gestores estão cumprindo com os 15% de toda sua arrecadação na Saúde, pois não se ver uma fiscalização rigorosa nesse sentido.

O Programa Saúde da Família simplesmente se transformou num ralo do dinheiro público, cujos gestores alugam CRM de médicos que cumpre horários de trabalho extenso em suas cidades de origem. Aqui nesse blog denunciei um médico com especialidade em cirurgia plástica, trabalhando 60 horas semanais em São Paulo e consta do Programa Saúde da Família num povoado de um município do Maranhão.

O certo é que recursos existem e os programas são excelentes, porém a corrupção e a improbidade administrativa consomem mais de 80% dos recursos da Saúde.


O que precisa? Maior fiscalização!!!"

terça-feira, 28 de maio de 2013

"Chapadinha Conta Apenas com 54 Policiais", Diz Major Edvaldo

Major Edvaldo Mesquita nos Estúdios da Mirante 

O major Edvaldo Mesquita concedeu entrevista ao programa “Direto ao Assunto”, da Mirante AM e FM, na tarde de hoje e falou da segurança pública, combate à criminalidade e sobre a situação da polícia militar de Chapadinha. Abaixo os principais pontos.

Efetivo Mínimo
O comandante da 4ª Cia de Polícia, informou que conta com cerca de 150 militares para os 18 municípios da Região do Baixo Parnaíba e apenas 54 homens trabalhando na força pública de Chapadinha.

Duas Viaturas
O major Edvaldo revelou ainda que o policiamento de Chapadinha dispõe somente de duas viaturas para atender cerca de 30 bairros da área Urbana e toda a extensão da Zona Rural do município.

Companhia Independente x Batalhão
Ao esclarecer que as Companhias Independentes são estágios preparatórios para a vinda de um Batalhão e que costumam ter em média de 200 a 300 homens, quando os batalhões poderiam chegar a ter de 400 e 500 efetivos, Edvaldo Mesquita disse que têm batalhões que contam com contingentes tão reduzidos quanto a 4ª Cia, por isso considera que um concurso público para a vinda de novos policiais antecede a expectativa da criação de um Batalhão para o município, embora Chapadinha já preencha os requisitos para tanto.

Problemas do Trânsito
Sobre os problemas do trânsito, Mesquita lembrou que a fiscalização é municipalizada e de atribuição da Guarda Municipal, mas diante das dificuldades e falta de estrutura da GCM a PM ainda assume parte das atribuições.

Drogas e PROERD
Sobre o consumo de drogas o major reconheceu a gravidade da situação, disse que – dentro das limitações – a polícia tem feito todo esforço para coibir o tráfico e citou o caso de grande apreensão realizada recentemente. Com relação ao Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência que Polícia Militar vinha desenvolvendo em caráter social e preventivo, com o objetivo de prevenir o uso de drogas em escolas e foi suspenso pela nova gestão da prefeitura, o comandante disse que tem a promessa do secretário Francejane Magalhães (Educação) de que o PROERD será retomado no segundo semestre.

Estuprador

Abordando o fato mais comentado nos últimos dias: os ataques de um estuprador que estaria aterrorizando em Chapadinha, o comandante disse que a polícia já tem o retrato falado do suspeito e espera prendê-lo nos próximos dias. O Major Edvaldo alertou que a população deve chamar a polícia e evitar qualquer iniciativa ou atos de justiça por conta própria. 

A Cultura da Intimidação e da Coação Governista


Por: Valter Ferreira

Ao lermos tal título você pode se questionar se retrocedemos a ausência de censura pública no Brasil durante a redemocratização em 1985, período este em que o militarismo e a censura imperavam no Brasil. Não caros leitores, estamos em pleno século XXI, vivendo em uma democracia no apogeu da era digital, mas práticas como estas ainda prevalecem entre pessoas com uma certa representatividade dentro de grupos políticos, pessoas estas autodenominadas de “articuladores políticos”. 

Todos sabemos da revolução digital e informacional que a internet e as redes sociais proporcionaram em todo o mundo, com isso veio a propagação em massa de pensamentos de integrantes movimentos sociais e políticos. Nosso município não foge de tal realidade, visto que é essa propagação em alta velocidade das informações e pensamentos, Fez com que eu me tornasse alvo de tais práticas. Fui convidado pra uma conversa com um tal “articulador político governista”, a motivação de tal convite se deu por conta das diversas postagens que fiz onde apontava possíveis falhas da atual administração em volvendo a instituição que integro.

O senhor articulador achando que possuía um álibi contra minha pessoa, não fez cerimônia, acompanhado de seu vereador tira colo, foi logo botando as cartas na mesa, “o negócio é um seguinte, você para com essas postagens que estão afetando a imagem da nossa administração e não abrimos um processo administrativo contra você” o mesmo falou ainda que tinha três testemunhas as quais presenciaram eu entrando na secretaria de obras fardado pedindo informações e questionando a conclusão de alguns serviços no prédio da instituição a qual faço parte pela referida secretaria e que me daria um tempo pra pensar.

Pois bem, após refletir sobre tal proposta “tentadora”, venho a público dar minha resposta. Antes de mais nada, o tal articulador deveria se inteirar mais sobre: a lei de informação, qual a finalidade e as pessoas competentes para a aplicação do P.A.D.(Processo administrativo Disciplinar), bem como saber que as secretarias são órgãos públicos municipais, onde qualquer um do povo pode ter acesso, mesmo que estas muitas vezes sejam utilizadas como moeda de troca na negociata eleitoral, o que não a faz sua propriedade particular. 

Não sou dono da verdade, contudo caros leitores, é notório que escândalos após escândalos vêm causando apatia e descrédito da população nesta instituição pública majoritária do nosso município que é a prefeitura. Como diria Mário de Andrade Macieira advogado e presidente da OAB-MA “A apatia gera o abstencionismo político, o afastamento da cidadania e o seu alheamento, o descrédito gera desesperança e mais grave que isso, o sentimento de que a política se confunde com a corrupção e nesse mercado, o voto e a consciência tornam-se apenas mais uma mercadoria, a ser vendida, trocada, comprada”.


Diferente de um certo blogueiro local que após ser submetido às mesmas práticas por um parlamentar, migrou por livre e espontânea pressão, das repercutidas postagens sobre as divergências políticas entre oposição e situação e avaliação da conduta moral de nossos parlamentares para anúncios de programação acadêmica e eventos culturais e no ritmo da carruagem, brevemente poderemos estar lendo uma deliciosa receita de bolo em seu blog.

Continuarei publicando meus textos nas redes sociais “doa a quem doer” e não me submeterei a tais “acordos”, visto que a credibilidade de minhas palavras não será abalada por uma amordaça fruto de uma chantagem barata e mal articulada.

Belezinha e a Propaganda da Inoperância

Manchete do Chapadinha Blog

Anunciada como a última grande conquista do governo Belezinha, a entrega de uma retroescavadeira pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário, numa ação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC2), virou manchete pronta de blogs governistas em outras 25 cidades do Maranhão.

Afora tentar pegar carona na retroescavadeira doada a outros 25 municípios, o governo municipal vem destacando a limpeza das duas principais praças da cidade (que só começou a fazer depois de quase 5 meses de cobrança) e uma restrita ação de saúde em uma localidade na Zona Rural.


Entre escavadeira do governo federal e ações tão corriqueiras quanto obrigatórias o governo Belezinha segue fazendo propaganda da própria insignificância e caindo no ridículo. 



Manchete de Blog de Coelho Neto

Outros Municípios que ganharam a retroescavadeira: São José dos Basílios, Chapadinha, São Francisco do Maranhão, Codó, Nova Iorque do Maranhão, Sucupira do Riachão, Pinheiro, Colinas, Lagoa Grande, Anapurus, Jatobá, Marajá do Sena, Paulo Ramos, Gonçalves Dias, Amarante, Jenipapo dos Vieiras, Coelho Neto, Barão de Grajaú, Barra do Corda, Buriti, Caxias, Colinas, São Domingos do Maranhão, Serrano e Tuntum. 

Levi Pontes: O Nome da Oposição


A falta de alternância política no estado sempre contou com a subserviência e certa covardia da classe política local. Nossos chefes políticos costumam seguir a risca as ordens do grupo Sarney a tal ponto de termos - em Chapadinha e região - nada menos que 12 pré-candidatos a deputado estadual prontos pra acompanhar qualquer candidato escolhido por Roseana Sarney.

Contra a tendência de ex-prefeitos, ex-deputados e outros caciques locais ( entre os prováveis concorrentes a Assembleia Estadual) apenas um nome tem se mostrado disposto a encarar uma candidatura no campo da oposição e ao lado de Flávio Dino: o médico Levi Pontes.

Destoando do coro dos que dizem amém ao Palácio dos Leões, Levi terá a tarefa de levantar a bandeira das oposições numa região onde – em regra – os grupos políticos que se matam pelas prefeituras municipais são os mesmos que se irmanam puxando votos para a velha oligarquia estadual.


Coerente com sua posição nas últimas disputadas estaduais (apoiando Jackson Lago em 2006 e 2010), Levi compete em raia própria, se lança num projeto audacioso e antecipadamente aposta na mudança, porque bem sabe que a batalha eleitoral da região é crucial para a vitória de seu governador e o sucesso de Flávio Dino no Baixo Parnaíba deve decidir uma vaga na Assembleia Legislativa para Levi Pontes.         

segunda-feira, 27 de maio de 2013

HEMOMAR Realiza Campanha de Doação de Sangue


A direção do Hemomar de Chapadinha comunica à população que nos dias 28 e 29 desse mês a unidade realizará uma campanha de doação de sangue.

De acordo com o diretor Dr. Sebastião Pinheiro a coleta será feita das oito da manhã às dezoito horas na própria unidade que fica ao lado do Hospital Antônio Pontes de Aguiar (HAPA).

A doação de sangue é um ato voluntário, de solidariedade, que salva vidas. Em cada doação são realizados exames que incluem pesquisa para Hepatite B e C, Doença de Chagas, AIDS, Sífiles e HTLV I/II.

Critérios Básicos para doação de sangue:
Homem ou mulher que apresentem as seguintes condições:

- Estar bem de saúde;
- Estar alimentado;
- Peso igual ou superior a 50kg;
- Idade entre 16 e 67 anos (menores de 18 anos necessitam de autorização dos pais ou responsáveis);
- Intervalo entre as doações de 60 dias para homens e 90 para mulheres;
- Mulheres fora do período gestacional, 3 meses após o parto ou fora do período de amamentação;
- Não ter tido hepatite após 10 anos de idade;
- Não ter doença de Chagas ou contato com o inseto “barbeiro”
- Não ser portador de epilepsia;
- Não ter feito tratamento dentário nas últimas 72 horas;
- Não ter diabetes;

Outras condições podem impedir a doação e deverão ser analisadas individualmente por ocasião da entrevista de triagem.

Atenção:

Não esqueça seu documento de identidade original. Só será aceita cópia autenticada em cartório. Aceitamos Carteira de Identidade (RG), Carteira Profissional, Certificado de Reservista, Carteira de Motorista ou Carteiras de Conselhos de Classe.

Solidariedade ao Etiene 

Os amigos e parentes de Valdir Nascimento Barbosa (o Etiene), reforçam a campanha  e  pedem que a população  participe tanto da doação, quanto do exame de compatibilidade de medula, que será feito com uma parte do sangue coletado. Convém informar que os testes de compatibilidades feitos aqui em Chapadinha não será direcionado somente ao ETIENE, mas também aqueles que estão aguardando um transplante.


Informações William Fernandes e Satil 

domingo, 26 de maio de 2013

Rádio Mirante: Major Edvaldo Concede Entrevista e Debate Criminalidade em Chapadinha


O comandante da 4ª Companhia Independente de Polícia Militar, Major Edvaldo Mesquita, participa do programa “Direto ao Assunto” do sistema Mirante de Chapadinha, nesta segunda-feira, 27.

Como encarregado do policiamento preventivo, o Major Edvaldo irá debater assuntos ligados à segurança pública e ao crescimento da criminalidade em nosso município. A possível instalação de um Batalhão de Polícia Militar, problemas gerados pela expansão do consumo de drogas, violência no trânsito e o polêmico caso de um estuprador que estaria agindo solto pelas ruas da cidade, serão alguns dos temas debatidos com a participação da população durante o programa.


O Direto ao Assunto vai ao ar às 14 horas com transmissão pela Mirante AM (1.520 Khz), pela FM (98.1) e pela internet no http://www.mirantefm98.com/.  

Foto: William Fernandes      

sexta-feira, 24 de maio de 2013

FETAEMA: Denuncia Conflitos Agrários no Maranhão


Reportagem: Jornal Pequeno

A diretoria da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Estado do Maranhão (Fetaema), representada pelo presidente, Chico Miguel; a secretária-geral, Ângela Sousa; e o secretário de Formação e Organização Sindi­cal, Ivaí Santos, apresentou em coletiva de imprensa, ontem (22), na sede da Federação, um relatório dos atuais conflitos agrários em situação mais crítica no Maranhão.

No relatório, foram apresen­tadas as duras consequências da disputa pela terra, que afetam trabalhadores rurais na comuni­dade do Vergel, no município de Codó; no povoado Cipó Cortado, em Senador La Roque; acam­pamento Dois Irmãos e Projeto de Assentamento Capoema, em Bom Jesus das Selvas; P.A  em Santa Luzia; P.A Guairacas, em Buriticupu; P.A Santa Ma­ria, em Satubinha; comunidade Vilela, em Junco do Maranhão; Projeto Agroextrativista Bacuri, em São Raimundo das Mangabeiras; P.A Mesbla, em Governador Nunes Freire; Quilombo Santa Maria dos Moreiras e Puraquê, em Codó; Quilombo São Pedro, em São Luiz Gonzaga; Quilom­bo Santana e São Patrício, em Itapecuru; Quilombo Salgado e Pontes, em Pirapemas. Ao todo, 15 comunidades afetadas.

Durante a coletiva, a diretoria da Fetaema, acompanhada dos advogados da Federação, Diogo Cabral e Antônio Pedrosa, ainda denunciou o conflito da comuni­dade São Raimundo, localizada no município de Urbano Santos. De acordo com os representan­tes da Fetaema, neste povoado, além da expulsão e ameaça das famílias de trabalhadores rurais, é comprovada por pesquisadores a importância histórica de São Raimundo como palco da maior revolução popular no Maranhão, a “Guerra da Balaiada”.

No relato feito pela Federação, foi constatado que atualmente moram em São Raimundo cerca de 54 famílias que trabalham em atividades rurais, como plantio de mandioca, macaxeira, feijão, milho, arroz, maxixe, quiabo, abóbora, bata-doce, gergelim, fava, vinagreira, alface, tomate, pimentão, pimenta de cheiro, pepino; e com a criação de peque­nos animais. Além dos plantios e criações, ainda é praticado o extrativismo do bacuri, pequi, buriti, jussara, babaçu, mangaba, caju, acerola, goiaba-araçá. A co­munidade tem hoje três projetos produtivos: criação de galinha caipira, manejo de bacurizeiros e roça agroecológica.

Porém, segundo os repre­sentantes da Fetaema, todo o território tradicionalmente ocu­pado por estas famílias, aproxi­madamente de 1.635 hectares, está sob ameaça do grileiro Luís Evandro Loueff, conhecido como “Gaúcho”. “O “Gaúcho” já esteve na comunidade, afirmando que teria uma licença ambiental de desmatamento para devastar 945 hectares de bacuri, pequi, aroei­ra, ipê e outras espécies nativas do cerrado para a construção de uma carvoaria. Área esta utiliza­da pelas 54 famílias”, denunciou o presidente da Fetaema, Chico Miguel.

Além da forma truculenta com que jagunços a mando de “Gaúcho” atuam na área, um indício de fraude na documenta­ção de licença de desmatamento expedida pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) foi ou­tra denúncia feita pela Fetaema. “Na licença, expedida pela Sema em favor do “Gaúcho”, constam como municípios de localização do imóvel São Raimundo, as cida­des de Colinas e Santa Quitéria e não o município de Urbano San­tos, onde de fato está o terreno”, denunciou Chico Miguel.


Atualmente, segundo o presi­dente da Fetaema, o processo de desapropriação tramita vagarosa­mente no Incra-MA.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Empresa do Lixo Atuava Como Armarinho, Dono Não Possuía Bens, Mas Arrumou 230 Mil Reais em Novembro

ABINAABE a Serviço da Prefeitura 

Novos documentos obtidos com exclusividade pelo Blog do Alexandre reforçariam as suspeitas da montagem de um forte esquema de favorecimento e corrupção, que teria como alvo a coleta de lixo de Chapadinha e poderia se estender a outros setores da administração.

A descoberta da compra do caminhão de lixo pela empresa Menezes e Pontes LTDA – a Júnior Construções – e posterior transferência para a Abi Naabe seria apenas a ponta do iceberg do jogo de mudanças no ramo de atividade e denominação das firmas, aumento suspeito de capital social e entradas e saídas de sócios nas empresas envolvidas.

Julho de 2012: Sem Bens a Declarar 

Sem Bens a Declarar
Que o ex-vereador Sandro Calaça Pontes, o dono da empresa que ganhou a licitação para a coleta de lixo da prefeitura (pelo valor de R$ 1.796.694,64 - Um Milhão, Setecentos e Noventa e Seis Mil, Seiscentos e Noventa e Quatro Reais e Sessenta e Quatro Centavos) foi candidato a vereador pelo mesmo partido e coligação da prefeita Belezinha este blog mesmo já havia noticiado e todos sabem. Mas que em julho de 2012 ele (Sandro) informou à justiça eleitoral não possuir bens e em novembro do mesmo ano declarou ter arrumado 230 mil reais para aumentar o capital social de sua empresa, muito pouca gente sabia. Como então ele conseguiu a façanha, só Deus que tudo sabe conseguiria responder.     

Empresa Começou Atuando no Ramo de Armarinho 


Do Armarinho à Coleta de Lixo
Antes de se chamar a Abi Naabe, a empresa de Sandro foi fundada em 20 de setembro de 2005 com o JSC Pontes ME, tinha o capital social de 20 mil reais e atuava no ramo do comércio varejista de artigos de armarinho, conforme consta em seu registro na Junta Comercial do Maranhão. Somente em novembro do ano passado – depois do resultado das urnas, pouco mais de um mês antes de Belezinha assumir a prefeitura – é que a empresa mudou sua atividade para coleta de resíduos não-perigosos.

Mudança do Objeto de Atividade em Novembro de 2012


Outro Lado
Por meio de telefone o blog entrou em contato com o ex-vereador Sandro Calaça Pontes que tratou o tema como perseguição política e preferiu não falar sobre os detalhes da matéria.  

De JSC Pontes a ABI NAABE


Descobrindo o Laranjal
Se os levantamentos realizados com os poucos recursos deste blog e as limitações de um simples jornalista, os documentos parecem não deixar dúvida quando a montagem de esquema do uso de empresas fantasmas para beneficiar a própria prefeita Belezinha, imaginem os maus feitos que a CPI barrada na Câmara ou uma investigação do Ministério Público não poderiam desvendar e impedir, neste caso e em outras áreas da administração municipal.

Evolução do Capital Social: 20, 230 e 250 mil em Novembro