quarta-feira, 30 de abril de 2008



FRENTE DEVE LANÇAR ISAÍAS
O anúncio da união entre os pré-candidatos Isaías(PP), Gomes (PSB) e Talvane(PT) por meio de um panfleto anônimo foi o assunto político dos últimos dias e parecia dar novas feições à sucessão municipal.
De fato houve muitas conversas e entendimentos que foram confirmados pelos três líderes com versões diferentes. De acordo com o empresário Gomes o acordo já foi efetivado, estabelecendo que o candidato a prefeito será aquele melhor colocado entre os três em pesquisa a ser realizada em breve. Já os cargos de vice e deputado estadual serão negociados entre os que ficarem de fora do cargo majoritário.
Mais cauteloso, o médico Talvane Hortegal disse que as conversas têm avançado muito, mas ainda não pode falar que a aliança já esteja consumada “estamos sentando os três e o acordo tá se processando”, disse.
Destoando – O ex-prefeito Isaías é o mais otimista com a tríplice aliança. Segundo Isaías os grupos já teriam definido seu nome como o candidato escolhido. “O candidato só não serei eu se tiver algum problema”, falou em referência indireta a sua situação jurídica.
A força eleitoral de uma frente com esses personagens é tão notória quanto a dificuldade de seu processamento. Pra começar o cargo visado é só um: o de prefeito. O de vice fica entre o ostracismo medianamente remunerado e a expectativa agourenta da desgraça do titular da vaga. O posto de deputado por antecipação é, em regra, prato cheio para o banquete da traição daqui dois anos.
Esta mais que qualquer outra frente depende de doses cavalares boa-fé dos que ficarem de fora da cadeira do executivo municipal.

terça-feira, 29 de abril de 2008



O JOGO POLÍTICO E OS "HERÓIS DA COERÊNCIA"

Há dois tipos de analistas e articulistas políticos: os engajados, sintonizados com grupos políticos e os independentes. Os que têm vínculos com facções cumprem, por afinidade ou interesse, função na organização política ou ideológica e sua argumentação está sempre colocada a serviço do grupo.
Os independentes são em maioria intelectuais que podem manter distância de segmentos partidários e, por isso, conseguem tratar de uma gama maior de temas e mudar de opinião sem maiores conseqüências. Esses, porém, são raríssimos em locais onde não se têm meios de comunicações independentes, como é nosso caso em Chapadinha.
Com um olhar mais atento a opinião pública vai verificar que aqui não há ninguém na imprensa isento de interesses. Se colocarmos os veículos mais assumidos certamente esta Folha figurará como um dos mais transparentes nesse sentido. Aqui assumimos, como quem sabe bem “a dor e a delícia de ser o que é”, nossa posição de forma clara frente às disputas políticas.
Basicamente insistimos que para combater um rumo equivocado se precisa indicar um correto, para se questionar um projeto é preciso assumir outro que ao menos lhe pareça melhor. Para, por exemplo, inferir que Magno e Danúbia não servem deve-se dizer quem se quer colocar no lugar destes; Talvane? Isaías? Ou seria Levi?
Os elos nem sempre são claros, mas deixam vestígios na ânsia de atacar algumas pessoas e grupos e na compulsão de esquecer outros. Se não fica bem elogiar o chefe, falo mal dos adversários dele. Essa é a lógica. Puro jogo político que o eleitor-leitor deve ficar atento.

Triunfo
O empresário Gomes não esconde a empolgação com a chamada Frente de Libertação. Ele que chegou a ser desprezado por interlocutores do poder estadual, foi o principal articulador do acordo até agora. A tendência é que seja olhado de maneira diferente daqui pra diante.
Revés
Depois que Talvane, Isaías e Gomes começaram a conversar quem ficou completamente isolado foi Levi Pontes. Levi tava se achando homem do governador e, de fato, contava com apoio em nível estadual. Porém não teve humildade para se articular com as forças municipais e ficou só. Seu futuro político agora é incerto.
Round
A criação da frente é mais um lance da rivalidade entre Gomes e Levi. Ambos não escondem a antipatia recíproca. Desanimado, seria natural que Levi procurasse acomodação nas hostes dessa frente, se esse caminho não esbarrasse em Gomes.
Decidido
Enquanto os setores de oposição tentam projetos de engenharia política complexa, Magno segue firme com Danúbia. À medida que a definição se confirma o projeto político da secretária ganha força. Hoje até mesmo os mais céticos que desdenhavam começam a reconhecer a força do grupo governista.
Frente de Espera
O que dá pra extrair desse acordo entre Isaías, Talvane e Gomes é que o primeiro já teria apoio dos segundo que dão como certo um impedimento de Isaías para herdarem o posto.
Velho Filme
Isaías anda mesmo otimista. Segundo fontes de seu grupo ele teria até um parecer de renomado jurista garantindo sua elegibilidade. Ao que parece teremos mais um embate entre os grupos de Isaías e Magno neste pleito.
O Vice
Na entrevista concedida à FOLHA DE CHAPADINHA o deputado Paulo Neto fez questão de destacar o advogado Élcio como um dos melhores quadros de seu grupo. Com o apoio do deputado e trânsito livre na classe política seu nome ganha força para uma futura vaga de vice.

PRENDAM O LULA!


Usando uma charge publicada na FOLHA DE CHAPADINHA – acima a original com presidente Lula e a montagem com a Danúbia, em detalhe menor - a oposição tentou extrair dali crime eleitoral e abuso de poder econômico. Além de ser a primeira vez que uma charge se presta a provar crime, eles tentam decifrar ou especular qual o sentido e o objetivo do desenho. Em breve estarão explicando piadas.
Nenhuma esfera de poder se isenta da utilização da máquina ou da corrupção. Uns conseguem ver isso nos cartões do bolsa escola do Lula, do Magno e da Danúbia outros enxergam em poços artesianos que abastecem de recursos algumas campanhas. Em todos os casos as provas têm feições mais sérias que uma simples charge.

Editorial da Folha de Chapadinha


O PRIMEIRO PROCESSO

O Ministério Público Eleitoral entrou com uma ação contra a FOLHA DE CHAPADINHA. O promotor entendeu como pesquisa as enquetes de Internet que publicamos em edições anteriores.
Apesar de ser este o primeiro processo que enfrentamos ao longo desses quase 10 anos existência encaramos o episódio como normal. Pois o direito de o Ministério Público de intentar ações como fiscal da lei é tão sagrado quanto o nosso de informar livremente a opinião pública e expor nossas idéias que, que afinal, são garantias constitucionais.

Entrevista de Paulo Neto à Folha de Chapadinha


Mesmo tendo como base principal um município com poucos eleitores como é o caso de Mata Roma Paulo Neto foi vitorioso logo na primeira vez que concorreu. Depois de quatro anos na Assembléia Paulo Neto voltou a surpreende obtendo uma expressiva somatória de votos ficando entre deputados votados. No início de seu segundo mandato foi implacavelmente acusado de envolvimento na morte do prefeito Bertin de Presidente Vargas. Passado um ano do episódio, sem nada haver sido provado contra ele no tocante à morte do prefeito e ainda sentindo-se injustiçado, o parlamentar retoma suas atividades políticas. É sobre esse reinicio a entrevista concedida à Folha de Chapadinha.

Folha de Chapadinha – Que avaliação o deputado faz desse que é o seu segundo mandato?
Paulo Neto – Posso dizer que este meu segundo mandato começou mesmo agora no início deste segundo ano de legislatura, por conta daquele episódio que todo o Maranhão conhece, relativo à morte do prefeito. Hoje graças a Deus, depois de tudo investigado, meu nome não consta nem no inquérito. Como inocente que sou meu nome não tinha mesmo razão pra constar, mas o político tem inimigos, temos inimigos ocultos, pessoas que nunca fiz mal e que passaram a querer me incriminar. Mas no fim a promotoria e a polícia nunca encontraram sequer indícios de relação minha com o fato. Mas foi um período difícil, tive problemas de ordem familiar, sentir o que eu senti sendo acusado daquela forma foi uma pancada forte. Quiseram me cassar, inclusive. Poucos agüentariam e eu resisti a tudo isso.

E quanto às ações do segundo mandato?
Bem, estou trabalhando pela região. Por Chapadinha, Mata Roma e demais cidades onde tenho atuação. Em Chapadinha conseguimos abastecimento d'água para seis povoados, beneficiando mais 500 famílias. Nós vamos intensificar a questão da energia elétrica, onde município de Chapadinha foi contemplado bastante pelo “Luz Para Todos” com apoio nosso às comunidade e trabalho junto ao comitê do programa. Claro que o “Luz Para Todos” é do governo federal, mas nosso trabalho consiste em ajudar o povo a garantir mais rápidos essas conquistas. Pleitos e obras longo do segundo mandato.

Com relação à política da região, logicamente você deve apoiar lideranças que têm pretensões em 2008, como está esse quadro?
Em Vargem Grande nós temos o Said Trabulsi que não sabemos se ele sairá candidato ou irá compor com algum grupo. São Bendito do Rio Preto temos o Cícero que deve ser nosso candidato a prefeito pelo PDT. Em Urbanos Santos a vereadora Iracema que deve disputar a prefeitura. Temos Mata Roma entre João Lucio e Carmem Neto, Anapurus entre Tina e João Batista que precisamos conversar pradefinir. Ainda teremos candidatos em Buriti, Santa Quitéria, Araióses e São Bernardo todos com candidatos apoiados por nós. Sem falar de Chapadinha que ainda não definimos.

Por Falar em Chapadinha, você teve uma votação expressiva, como fica seu grupo com relação aos nomes ai postos?
Sobre Chapadinha tivemos notícia de aliança entre Isaías, Talvane e Gomes que se for mantida é uma chapa forte, temos o grupo do prefeito Magno com a pré-candidatura da secretária Danúbia e o Levi que é o candidato do PDT, que é do governo. De forma que estamos analisando essas três opções pra definirmos o lado que nós iremos com o sentimento sempre de apoiar um candidato pra vencer as eleições porque Chapadinha não pode mais esperar. E nós vamos trabalhar, tão logo saia essa candidatura eleita, para colocar ela em sintonia com o governo do estado para que Chapadinha não perca mais tempo no tocante às obras que são uma ansiedade da população.

Você poderia explicar essa opinião de que Chapadinha perdeu tempo na questão das obras?
Hoje sabemos que Chapadinha é um município melhor que o passado sim. Temos liberdade expressão, temos futebol, educação melhor que o passado e uma certa organização administrativa que a gente vê que antigamente não tinha. Chapadinha ta mais ou menos pronta pra receber o desenvolvimento que todos querem. Mas precisamos acelerar a vinda obras.

É ai que entra o governo do estado, por exemplo?
Sem dúvida. O governador na hora que ele notar que não vai haver união entre as lideranças que o apoiaram em Chapadinha, onde temos ai o Gomes, Dr. Levi e o Isaías, se essas candidaturas saírem de lados opostos acho difícil o governador intervir em algum processo eleitoral. Então nós precisamos é fazer com que a candidatura que venha a sair vencedora tenha um bom entendimento com o governo do estado. Temos que olhar pra cidade, a região tá crescendo e Chapadinha precisa ter estrutura.

Quais os quadros de seu grupo que poderão compor chapa com os demais grupos?
A princípio temos diversos candidatos a vereador em dois partidos que aglutinam as pessoas que votaram conosco pra deputado, quando obtive quase 4 mil votos. Temos o PSDC liderado por Dr. Élcio, que é uma pessoa com grande credibilidade e temos ainda o PSC do Irineusinho que é uma forte liderança principalmente na Zona Rural. São esses dois partidos e esses líderes que vou levar pra sentar na mesa e escolher uma candidatura que possa representar o melhor para Chapadinha.

Querendo falar mais alguma coisa fique a vontade.
Gostaria de agradecer o espaço, ao jornal que vem se viabilizando como um veículo escrito de debates e notícias. Parabenizá-lo pela iniciativa de oferecer esse meio de comunicação para Chapadinha e Região.

Fotos do Incêndio: Supermercado São Marcos