sábado, 28 de fevereiro de 2015

Flávio Dino em Brasília: A Quebra do Poder Oligárquico em Sua Raiz

Blog do Clodoaldo
dilmaflavioA grande dificuldade dos poucos anos em que a oposição ao grupo Sarney esteve no governo (dois de Zé Reinaldo e dois de Jackson Lago) foi justamente na essência de onde Sarney nutre o poder que sempre utilizou para manter a dominação de quase 50 anos no Maranhão: a força política em Brasília.
José Sarney chegou ao poder no Maranhão com a apoio da Ditadura Militar em 1965 quando se elegeu e quebrou anos de Vitorinismo (ciclo de domínio da Oligarquia Vitorino Freire). Desde então, aprendeu que o poder nacional é a grande fonte de manutenção do poder local e exerce isso da maneira que for preciso para manter seu domínio através das relações coronelistas e patrimonialistas.
As utilizações de seu poder em Brasília foram feitas de forma mais contundentes e escandalosas nos últimos anos. Nos governos Zé Reinaldo e Jackson, o entrave proporcionado por Sarney para que os recursos federais chegassem ao Maranhão. Em 2009, o julgamento político que cassou o governador Jackson Lago com todos os dedos do ex-presidente. Em 2010, Sarney provocou a intervenção no PT do Maranhão para ter o apoio da legenda à Roseana, constrangendo Lula no estado. O constrangimento em 2014 foi repetido com Lula pedindo votos para Edinho Lobão e a presidente Dilma teve muita resistência de não ceder à pressão e se “queimar” pedindo votos para o candidato do grupo Sarney.
Assim, o governo Flávio inicia quebrando justamente o entrave ao Maranhão quando o governo não era favorável ao Clã: o Palácio do Planalto. O governador foi pessoalmente à Brasília e articulou o andamento de convênios que estavam parados por simples desinteresse do governo anterior e a discussão para celebrar novas parcerias.
O novo governo mostra a preocupação que faltou nos governos de oposição anteriores (sim, este governo deve ser de oposição ao modelo de política, economia e relação institucional adotado nos últimos 50 anos no Maranhão): acabar com a influência negativa da Oligarquia em Brasília para prejudicar o Maranhão e manter privilégios.
O governador do Maranhão vem destravando convênios parados e obtendo conquistas importantes em Brasília. Isto significa a quebra principal do poder que atrasa o Maranhão e deixa o Estado com os piores indicadores sociais do país. Isto é transformação.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Outra? Isso mesmo! Belezinha Inaugura Terceira Maquete em Dois Anos




Levi Pontes Debate Situação da Refinaria e Esclarece Posição do Governo



O deputado Levi Pontes / Solidariedade usou a tribuna para debater a situação da refinaria Premium e para esclarecer a posição do governador Flávio Dino a respeito do tema. Levi Pontes fez questão de explicar o teor de uma entrevista concedida pelo governador Flávio Dino à revista IstoÉ, que teria sido distorcida pela oposição maranhense.

“Acredito que ninguém que esteja me ouvindo possa crer que o nosso governador tenha algum problema de sanidade mental. Porque, deputado Adriano (Sarney), não conheço um governador que não queira um projeto de tamanha significância, que não queira um projeto para o seu estado, de tamanha importância e envergadura para o desenvolvimento”, declarou. “Quando o governador foi questionado (na entrevista) sobre o cancelamento das obras da Refinaria Premium, ele lamentou profundamente tudo o que estava acontecendo e disse dos grandes prejuízos que a parada dessas obras iria trazer para o Maranhão”, completou Levi.

Ainda no tempo do grande expediente, o deputado Levi Pontes observou que o governador Flávio Dino “esperou o momento oportuno, deixando passar a turbulência em torno da Petrobras, para poder criar um ambiente favorável para se reunir com a presidente da República e apresentar um novo projeto no valor de R$ 8 bilhões em substituição àquele projeto de 20 bilhões que antes fora gerido no governo anterior”, enfatizou o deputado, que criticou o projeto original de construção da refinaria, que teria sido superestimado.

O parlamentar lembrou sua participação como ativista político no Rio de Janeiro, na luta contra a ditadura no país e que mantém a mesma disposição em defesa do Maranhão. “E agora estarei também não só nesta tribuna, mas nas ruas em qualquer ambiente defendendo os direitos do povo maranhense contra essa atrocidade, que foi a tentativa mal feita de instalar esta Refinaria sem os devidos cálculos, sem o devido planejamento, sem agendamento e sem saber a saúde financeira da Petrobras, que há mais de 30 anos se desconfiava que haveria grandes problemas de ordem de gestão nesta empresa”, afirmou Levi Pontes, defendendo que a Refinaria seja construída como um projeto mais adequado à atual conjuntura do país.

Elogios dos Colegas 
O pronunciamento de Levi Pontes foi considerado equilibrado e oportuno pelos deputados que lhes apartearam. “Gostaria de parabenizar Vossa Excelência pela forma equilibrada com que traz de volta o tema da Refinaria Prêmio para ser debatido nesta Casa”, disse o deputado Eduardo Braide / PMN. “Gostaria de lhe parabenizar pelo discurso que faz hoje nesta Casa, um discurso  sereno e ponderado.  Eu acho que essa deve  ser a linha do Estado do Maranhão”, destacou Max Barros / PMDB. 

Foto: JR Lisboa/Agência AL

Impeachment Tem Regra e Ditadura Não É Brinquedo


Votei na presidenta Dilma por três motivos principais presentes em sua primeira gestão, na exata ordem: distribuição de renda e valorização das camadas mais pobres; inclusão de regiões esquecidas como o nordeste na estratégia de desenvolvimento nacional; e contraponto à onda de intolerância e fundamentalismo comportamental.

Logo nos primeiros lances vejo concessões ao mercado financeiro, fraqueza do governo e guinada a direita. Posso dizer que sinto dificuldade em me sentir representado por quem ajudei a eleger. Mesmo assim há mais em jogo do que garantir um governo que agora só é esquerda no papel e tanto se afastou do povo.

Entre o revanchismo irracional dos derrotados de outubro e o pragmatismo astucioso dos eternos golpistas de plantão, nossa democracia fundamentada na Constituição de 88 e conquista de várias gerações, corre risco.

Verdadeira e pertinente a insatisfação contra o governo federal, nem precisava tanto para criar expectativa de volumosos os protestos marcados para o mês de março, basta a divisão nacional patente nos votos dados ao candidato tucano. Se legítimas as manifestações, o mesmo não se pode dizer da pretensão de afastar a presidenta. Só é possível falar em Impeachment mediante crime de responsabilidade, o que nem de longe materialmente se observa.  Se alguma prova de participação e beneficiamento direto surgir contra Dilma, serei o primeiro a defender sua saída, ainda que lamentando a ascensão do vice, Michel Tamer. (Muitos desavisados pensam que Aécio assumiria a presidência)

Impedimento de Presidente da República tem regras definidas e propor a destituição de Dilma sem o devido processo não é outra coisa senão GOLPE!

Não me admira que o submundo da intolerância latente em nossa sociedade vocifere por intervenção militar, retorno de ditadura, execução de esquerdistas e outras loucuras. Estranho é a presença, entre eles, de personalidades que combateram o último período de exceção e a sedução de biografias ditas democráticas pelos chocalhos da tirania.  

Nossa democracia é jovem, a história tem pendor golpista e todo cuidado é pouco, pois qualquer brincadeira pode ensaiar “o cântico lúgubre das liberdades perdidas”, como alertou Mário Covas, dias antes da edição do AI5, em 1968. 

Flávio Dino Articula Defesa Constitucional de Dilma Rousseff

 O governador do Maranhão, Flavio Dino, durante entrevista no Palácio do Planalto (Foto: Filipe Matoso / G1)
O governador do Maranhão, Flavio Dino, durante entrevista no Palácio do Planalto (Foto: Filipe Matoso / G1)

Filipe Matoso, do G1, em Brasília
O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), afirmou nesta quarta-feira (25), após reunião em Brasília com Dilma Rousseff, que procurará os demais governadores do Nordeste para pedir que eles façam a “defesa constitucional” da presidente.
Segundo Dino, “não é razoável” o pedido de impeachment de Dilma “por vozes de oposição” e em redes sociais na internet. De acordo com o governador, a presidente “passou muita calma, muita serenidade” ao abordar o assunto.
“Fiz questão de trazer o tema porque não acho saudável para a democracia no Brasil que a polarização política chegue a um nível em que não seja mais possível o entendimento das forças políticas no Congresso Nacional”, afirmou.
Ele disse ter o “compromisso” de conversar com os demais governadores do Nordeste “para que que estreitemos” a parceria com o governo federal.
“Em primeiro lugar, vou propor que façamos a defesa constitucional dela [Dilma]. Em segundo, a defesa da Petrobras. Em terceiro, a defesa pela preservação de investimentos no Nordeste e a necessidade de procedermos ao ajuste fiscal que os estados têm de participar, preservando, porém, o núcleo das políticas sociais”, completou.
Refinaria
De acordo com o governador, o encontro com Dilma também serviu para apresentar à presidente proposta que será levada à Petrobras para a construção de uma refinaria no município de Bacabeira (MA), estimada em R$ 8 bilhões.
Segundo Dino, uma refinaria, orçada em R$ 20 bilhões, está com as obras paradas no Maranhão, embora a Petrobras, disse, já tenha investido R$ 1,6 bilhão no projeto.
O governador informou que nas próximas semanas procurará o presidente da estatal, Aldemir Bendine, para apresentar projeto alternativo.
O objetivo, disse Dino, é construir uma refinaria “menor”, em Bacabeira, no valor de R$ 8 bilhões. “A construção dessa refinaria não significa desistir da outra, mas é preciso entender que houve um adiamento e que o projeto tem de ser retomado de algum jeito, e um caminho pode ser retomá-lo em menor porte”, afirmou.

HAPA: Paciente Transportado na Carroceria do Carro da Guarda Municipal

Paciente na Carroceria do Carro da Guarda

O dia-a-dia do HAPA segue desmentindo a propaganda do governo Belezinha de que hoje temos uma saúde de primeiro mundo em Chapadinha. Ontem um paciente recebeu alta após ser medicado, mas não tinha condições de ir pra casa no transporte que sua família dispunha: uma moto. Segundo informações, não havia ambulância no hospital e os motoristas estavam com os celulares desligados e por isso não teriam sido localizados.

Ainda de acordo com informações, sem ambulâncias disponíveis, os familiares ligaram para a Guarda Municipal que disponibilizou a viatura para transportar o paciente até a sua residência, utilizando um colchão do hospital na carroceria, pois o paciente não conseguia sentar no banco traseiro da camioneta.

Secretário Nega Falta de Ambulâncias
Ouvido pelo blog o secretário de saúde Allan Monteles, estranhou o fato, pois segundo ele o HAPA estaria a 52 horas sem precisar transferir pacientes e as ambulâncias se encontram no pátio do Hospital. O secretário garantiu que o episódio não aconteceu por falta de ambulância e prometeu averiguar o caso.


Imagem Vale Mais...
Sendo verdadeira a declaração do secretário Allan (e não há porque dele descrer) a remoção do paciente na forma como ocorreu, transfere o problema da esfera da ausência de estrutura para a falta de gestão, afinal se tinha ambulância e não havia quem as dirigisse o que tá faltando mesmo é competência administrativa.  


quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Vereador Eduardo Sá Emite Nota Sobre Fotos Vazadas


A respeito de fotos íntimas vazadas na imprensa, venho a público me manifestar conforme segue:

1 – Lamento profundamente que a impensada atitude do passado, do registro de um momento íntimo, tenha me mostrado um erro de forma tão dura e implacável para minha família;

2 – As imagens hora levianamente divulgadas fazem parte de um momento da minha vida que só não pretendo esquecê-lo para não mais repeti-lo. O fato aconteceu em 2006 e os arquivos estavam em um celular que foi perdido meses depois, o que por certo possibilitou o vazamento;  

3 – Ainda que não tenha sido minha intensão divulgar algo que somente diz respeito a mim e a minha parceira a época, peço desculpas a todos a quem possa involuntariamente ter ofendido ou chocado;

4 – Deploro a exploração por adversários políticos que sempre colocam o ódio que cultivam por mim acima da minha condição de ser humano, de cristão e de pai de família. Reafirmo, contudo, não me permitir abalar e que manterei o meu mandato com toda dignidade;

5 – Às pessoas que repudiaram a divulgação e solidarizaram-se comigo, deixo meu agradecimento de coração. Reitero, por fim, que assim como busquei em Deus inspiração e força pra mudar a minha vida, recorro a ele para superar mais este momento difícil.   


Vereador Eduardo Sá